quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Excalibur - Histórias de Reis, Magos e Távolas Redondas


Coletâneas nos ensinam muita coisa sobre o cenário, ou sobre o tema que as inspirou. Nesse caso, deu pra ter uma pequena ideia do que temos na literatura de ficção e fantasia no Brasil. Como de se esperar, algumas coisas não parecem tão boas, outras dão preguiça ou decepcionam, mas sempre surgem aquelas que fazem todo o resto valer à pena, de tão boas, bem escritas, emocionantes e por aí vai. 

Alguns contos em Excalibur conseguiram me transportar para outro mundo, que é o que eu sempre espero quando leio alguma coisa. Me transportar para aquele mundo antigo, no meio de florestas governadas por deuses que não ouvimos mais falar, e me dar a sensação de que mudanças são naturais, de que somos parte delas e que nem sempre aquele fim indesejado é ruim, melhor ainda. Estou com vontade inclusive de ver alguns contos dessa coletânea em forma de filme, ou transformados em um romance maior. Não que eu ache que eles deviam ser maiores (algumas coisas são do tamanho que têm que ser), é só vontade de ficar um pouco mais de tempo imersa nelas... Como no conto "A Dama da Floresta", ou "O Herdeiro de Shalott". 

Gostei das abordagens alternativas, mostrando que Camelot pode ser qualquer lugar, como uma forma de mostrar que sempre há quem lute e tente melhorar as coisas. Como no conto "A Fada". Também gostei das histórias que mostraram os personagens como seres humanos, dando enfoque a emoções, sensações e coisas que fazem a gente realmente comprar a história, como "O Fio da Espada" e "Cavaleiro Anônimo" (esse conto me surpreendeu: uma história bem simples que fica sensacional por conta da escolha do tempo verbal e a forma como ele acaba. Só no final a gente percebe que ele todo foi um flash, um piscar de olhos!)

Enfim, curti o livro. Achei que demorei um pouco mais nele, e confesso que tive vontade de largá-lo em alguns momentos, pois fiquei um pouco cansada, mas acho que faz parte quando se tem várias histórias com a mesma temática, né? As vezes dá impressão de que a gente tá lendo a mesma coisa e não sai do lugar, mas aí vem um conto muito bom e faz a leitura avançar e ficar muito prazerosa (além de mostrar que sim, temos escritores muito bons por aqui e seria muito legal dar atenção a eles!)

Nome do livro: Excalibur - Histórias de Reis, Magos e Távolas Redondas
Autores: Roberto de Sousa Causo, Liège Báccaro Toledo, Luiz Felipe Vasques, Daniel Bezerra, André S. Silva, Pedro Viana, A. Z. Cordenonsi, Ana Cristina Rodrigues, Marcelo Abreu, Melissa de Sá, Octavio Aragão, Ana Lúcia Merege, Cirilo S. Lemos
Organização: Ana Lúcia Merege
Editora: Draco
Páginas: 248
Nota no Skoob: 3/5

2 comentários:

  1. Hey Redd! Gostei bastante do que você falou no começo do seu post, sobre como antologias são uma boa oportunidade de conhecer o que se passa no cenário atual, que seja de bom ou de ruim. Reflete bastante um pensamento meu também. Acho inevitavelmente vamos nos deparar com coisas que não gostamos, mas mesmo assim a iniciativa é válida pois podemos ter uma visão de vários estilos.

    Fiquei feliz que tenha gostado do meu conto. :)

    ResponderExcluir