sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Interworld / The Silver Dream


Interworld

Infelizmente, às vezes descubro livros legais que não têm tradução para o português. É chato porque não dá pra compartilhar a empolgação, não dá pra recomendar pra muita gente... É o caso de Interworld, do Neil Gaiman e do Michael Reaves.

Confesso, claro que o que me chamou a atenção no 1o momento foi o nome do Neil Gaiman. Mas a premissa do livro se mostrou tão legal que eu leria e gostaria mesmo sendo de um autor que eu nunca ouvi falar. 

É a história de Joey Harker, que descobre que tem a habilidade de andar entre dimensões. Na história, existem incontáveis dimensões, cada uma com uma versão diferente da Terra e, consequentemente, versões diferentes dele mesmo. Versões essas que formam um exército com o objetivo de manter o equilíbrio entre a ciência e a magia no Altiverso (conjunto das Terras das diferentes dimensões - diferente de "multiverso", que seria o conjutno de dimensões E tudo o mais do universo por aí), já que organizações de ambos os lados estão em guerra pelo domínio dele: os HEX e os Binários.

Como é explicado no livro, magia e ciência são formas diferentes de se ver as coisas: magia é esperar que o Universo escute seu pedido, enquanto ciência é o Universo demandar que você o escute. Cada parte do universo pende para um desses lados, o que influencia em cada uma das versões da Terra do Altiverso.

O livro é super divertido e prende bastante o leitor. Dá pra encontrar referência de tudo (sacada genial que aproveita várias versões de Terras pra dar vários pontos de vista pras coisas). Em alguns momentos, achei bem parecido com animes japoneses, com direito a mascotinho divertido pro protagonista, etc e tal. Em outros, tinha um pouco de Star Trek, onde tudo é explicado cientificamente, mas de um jeito que a "audiência" entenda, e dentro da história. Também um pouco de Harry Potter, com adolescente protagonista entrando em enrascadas e crescendo - e ficando poderoso - com elas, um pouco de X-Men, onde cada uma das versões alternativas de Joe Harker tem "habilidades" específicas (Terras diferentes resultam em seres vivos diferentes), um pouco de Steampunk, histórias de piratas, e por aí vai.

Desconfio que cada leitor vai encontrar suas próprias referências e fazer associações diferentes, de acordo com seu próprio gosto, background, e por aí vai.

Gostei da parceria entre Neil Gaiman, que sabe contar histórias de fantasia como ninguém, sempre com um ar de que a gente já leu isso antes, ao mesmo tempo que está lendo algo completamente novo, e Michael Reaves, que já trabalhou com roteiros para Star Trek, Batman - Animated Series, Twilight Zone e por aí vai. Um misto de saber o que atrai o público com saber como contar algo legal e com qualidade pra ele. Também pode ter sido a parceria a responsável por manter o equilíbrio da história entre fantasia e ficção científica, o que faz sentido também com relação ao enredo (que fala sobre esse equilíbrio). 

Curti as formas de explicar os cenários também (dimensões absurdas, zonas do Altiverso que eram todas as dimensões ao mesmo tempo - o 'In Between' - , e zonas que não eram nada - o 'Nothing At All'): usando referências da cultura, como dizer que algo é uma mistura de Picasso com Dali e Pollock, ao mesmo tempo que dando nomes científicos, equações matemáticas ou inventando nomes que deem essa impressão. Aliás, o próprio protagonista menciona: uma das coisas mais legais de ser cientista e descobrir coisas é poder inventar palavras pra dar nome pra elas.

Disseram que a ideia original era uma série de TV, mas algumas ideias não entram na cabeça de produtores dessa mídia, então sobrou pros livros mesmo. Mas o que os produtores de TV não consideraram digno de atenção hoje em dia tem um "New York Times Bestseller" escrito na capa. Taí a dica, editoras brasileiras, publiquem uma tradução!

Nome: Interworld
Autor: Neil Gaiman & Michael Reaves
Páginas: 288
Editora: HarperTeen
Nota no Skoob: 5/5



The Silver Dream

Michael Reaves e Mallory Reaves escreveram a continuação de Interworld. O nome do Gaiman aparece na capa, mas apenas como criador original dos personagens e fatos principais. 

E, não querendo ser a óbvia puxa-saco, acho que fez falta, viu? Não que a história não seja boa, muito pelo contrário, mas faltou um certo "refinamento". 

Aqui, temos uma história com mais cara de Harry Potter e outros livros com heróis juvenis, passando por apertos (alguns muito tensos), sofrendo e apanhando, prometendo muito, descobrindo potenciais... E não mostrando que têm. Porque a história se preocupa tanto com ação que se esquece de colocar mais as impressões dos personagens, ou o efeito que a ação tem sobre cada um deles. 

Sabemos que a regra geral de histórias de heróis é ser modificado e crescer com os acontecimentos e dificuldades, não é? Pois não senti isso em The Silver Dream. Não sei se só pelo texto em si, com muito acontecimento, ou se também pelo final-sem-fim, onde se tem a impressão de um novo começo, um gancho pra continuação, mas que não funciona muito bem como gancho, deixando a sensação de que tá faltando coisa. Não sei nem dizer se acho que foi intenção dos autores ou não. 

De qualquer forma, a história funciona para o público tween/teen (como é indicado na capa), tendo algumas cenas "dramas highschool" (como ser excluído ou ter a popularidade ameaçada), guerras com armas laser e feitiços, jogos de pega-bandeira (onde outras coisas acontecem e pioram a situação, como se espera), e por aí vai. Um bom entretenimento sim, mas acho que senti falta da "magia" que a escrita do Neil Gaiman trás pras histórias...

EDIT: Os livros foram finalmente traduzidos e publicados no Brasil pela Rocco Jovens Leitores! Os títulos em português são Entremundos e Sonho de Prata.

Nome: The Silver Dream
Autor: Michael Reaves & Mallory Reaves (story by Michael Reaves & Neil Gaiman)
Páginas: 256
Editora: HarperTeen
Nota no Skoob: 3/4

Nenhum comentário:

Postar um comentário