domingo, 27 de julho de 2014

Space Opera - Um Novo Começo


Acabei (bem em cima da hora) a segunda meta da Maratona Literária: a Space Opera “Um Novo Começo”.

Foi também a “estreia” do meu aplicativo Kindle, ou seja, a primeira vez que eu li qualquer coisa no celular. Eu costumava ter um certo preconceito por conta da tela ser brilhante e colorida e muito iluminada, já que essas coisas costumam me cansar muito fácil. Mas pelo menos o tamanho da tela dessa vez colaborou, porque uns tempos atrás eu arrumei um smartphone decente hahaha

Enfim, vamos à obra: “Um Novo Começo” mostra duas histórias paralelas com dois protagonistas: Jout e uma prisioneira humana entre ‘alienígenas’. Os trechinhos são apresentados alternativamente, até que no final as duas histórias se conectam. Na primeira história, os últimos humanos pousam sua nave no planeta Kepler, com intenção de colonizá-lo e fazer dele sua nova casa, após a destruição da Terra. Na segunda, uma prisioneira aguarda sua execução em uma prisão de segurança máxima alienígena, aparentemente pelo crime de ser humana.

Sabe toda vez que eu leio alguma coisa com cara de ficção científica e reclamo que falta o lado pessoal, as emoções, as entrelinhas, o lado humano? Pois é, aqui não falta. Aliás, o que mais tem aqui é isso: a ligação entre duas crianças, o relacionamento entre pai e filho, as memórias de uma prisioneira condenada à pena de morte.

Só achei algumas coisas nesse sentido meio corridas, tipo o final onde os capítulos e o interlúdio se entrelaçam. Achei um tiquinho repentino. Não sei, é a impressão que me deu. Meu lado paranoico que pensa em detalhes também ficou reparando em coisas menores, do tipo “como esse menino consegue passar assim tão fácil? Só tem recruta, não tem câmeras?” e por aí vai. Ou no início da história só existir um planeta habitável, mas depois ser revelado que existem outras espécies e que o capitão sabia disso. Isso não seria o mesmo que dizer que existem um monte de planetas habitáveis? O.o Ou então: mas só Kepler? Não sei quando a história foi escrita, mas acho que tem um tempo que já descobriram um monte de planetas “com potencial” por aí, só esperando confirmação (eu acho). Ou “porque esses dois povos querendo habitar o mesmo planeta não podem nem tentar entrar num acordo? São a mesma espécie, todo mundo terráqueo!”

Também achei que algumas explicações de coisas mais práticas pareceram meio repentinas, tipo do nada sabermos que existem sim outras civilizações por aí e o ‘chefão’ sabia disso. Sei que era um tipo de informação necessária pra ligarmos as duas histórias paralelas, mas não sei, quando processei a informação a história já estava acabando...

Eu vou confessar uma coisa pra vocês: o fato de a história ser da Karen Alvares e da Melissa de Sá, de quem eu já li outras coisas e com quem tenho algum contato via twitter e tal, o que faz com que eu não as veja como seres de outro mundo (rááá!) me fez ficar com um pé atrás pra escrever esse comentário, mais cheio de críticas do que de coisas legais. :S

Mas só pra esclarecer: eu sei que as histórias são como os autores a escrevem. Tudo o que eu falei aqui foram escolhas das autoras. E é óbvio que eu imagino que mais gente por aí vai discordar e talz. Escrevi apenas minhas impressões iniciais, como comentaria com um amigo que também tivesse lido (igual a gente costuma comentar filmes ao sair do cinema, ou seriados depois do episódio semanal). E é por isso que eu chamo meus textos nesse blog de COMENTÁRIOS, não de "resenhas"...

Autoras: Karen Alvares e Melissa de Sá
Páginas: 61
Editora: Draco

5 comentários:

  1. Oi Mari! :)
    Como assiiim "pé atrás" de falar as coisas, menina!! Tem que falar, oras, e você tem toda razão no que disse. Algumas explicações são mesmo corridas, o final também. Nós escrevemos essa história para uma antologia (da qual não passou) e precisamos cortar/correr com coisas porque tínhamos um limite de palavras. Acabou sendo publicado assim pela editora. Quem sabe um dia a gente não faz uma versão estendida?
    Mas acho que algumas respostas para seus questionamentos são:
    1) Acordo entre humanos? Não é porque todos são terráqueos que vão chegar a um acordo. Olha como nosso mundo é... =/ A gente queria passar como a humanidade é corrompida.
    2) O Jones aí é um "facilitador" para o Jout. Era do interesse dele que as coisas corressem desse modo. Isso sim ficou bem no ar, eu sei... a gente precisava de mais espaço e não tinha.
    Obrigada lindona, por ter lido e comentado. Ficamos honradas de estrear seu Kindle (e espero que leia mais no celular, é tão legal!).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imaginei que tivesse treta de espaço mesmo...
      Mas apoio uma versão estendida! :)

      Excluir
  2. Olá, Mari,

    Li recentemente "Um novo começo" e gostei bastante. Já me tornei fã dessas duas autoras e quando sai alguma coisa eu avanço babando que nem um pit bull raivoso. Realmente uma história curta deixa coisas no ar, mas isso vai do gosto, por que eu adoro coisas que ficam no ar, coisas subentendidas, dúbias. Minha esposa detesta, e sempre reclama quando eu coloco filmes assim pra gente ver.

    Eu estou esperando um romance completo nesse ambiente espacial da Karen e da Melissa, e talvez te agrade mais quando isso acontecer, por que sem limite de tamanho, a imaginação dessas duas garotas voa longe.

    ResponderExcluir
  3. Ah, fiquei tão feliz com a resenha!

    Não tem nada de ficar com pé atrás não. Até porque não gosto dessa política do mi mi mi: conheço o autor então não posso falar e bla bla bla. Ou de autor que fica com raivinha porque falaram alguma coisa do trabalho e bla bla bla. Inclusive, você ter sido sincera na sua resenha só reforçou sua posição de leitora importante pra nós. Porque quando você elogiar, saberemos que é de verdade mesmo! :)

    Reitero os dois pontos que a Karen falou. A ideia era essa mesmo, mas temo que tenha ficado sutil demais. Quem sabe um dia não rola a versão estendida?

    Também espero que você leia mais no celular. Eu confesso que já acostumei totalmente. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, me forcei a escrever por isso mesmo, até pq é bem paia criticar um livro só pq a gente não conhece o autor, né hahaha
      Apoio uma versão estendida!

      Excluir