quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Charlotte Sometimes



Comecei a leitura tão perdida quanto Júlio, o protagonista.

"Quê que é isso? Quê que tá acontecendo, alguém me explica? Não to entendendo nada!" - a escrita "amontoada", sem pontos nem parágrafos, sem fôlego nenhum, reforça essa sensação de bagunça, de falta de direção.

Aos poucos, quando Júlio começa a se localizar, a gente também se localiza na leitura. E aí a gente percebe que está na cabeça dele, e que a confusão que sentimos no início da leitura era a própria confusão do personagem ao não saber o que estava acontecendo. As palavras se atropelavam como um fluxo de pensamentos muito rápido e muito cheio, uma confusão mental, um atordoamento de quem acabou de se perceber em um lugar estranho sem conseguir se contextualizar. 

E a sacada é muito legal. Curti tanto a "reviravolta" sobre quem está controlando as coisas ali, quanto a ideia de que sonhos tem vida dentro deles, inclusive em sentidos que vão além da interpretação que a gente possa fazer automaticamente. 

Curti ainda mais a ideia de que uma música pode trazer tanto à tona (e pode mesmo, né). Charlotte Sometimes, do The Cure, que provoca sensações e ativa memórias que aparecem de vez em quando, mas que mantém algumas coisas ali pra sempre (é, pode-se fazer um trocadilho aí, mas achei que fazer em forma de piadinha ia desfazer o tanto que a ideia é legal).


Enfim, ando meio atarefada e cheia de coisas, mas às vezes é bom parar e dar uma lidinha, né? hehehe Nessas horas, é sempre bom ir atrás de contos. Este eu li numa "sentada", super rapidinho (eu até ia achar legal se ele demorasse mais um pouquinho, porque foi um conto legal). Se você é da turma que fala que não tem tempo pra ler, que tal tentar histórias curtas? :P

Nome: Charlotte Sometimes
Autor: Fábio Fernandes
Editora: Draco (Série Contos do Dragão)
Páginas: 18
Nota no Skoob: 5/5