domingo, 22 de fevereiro de 2015

Labirinto


Há tempos que estou com vontade de ler um daqueles livros que a gente não consegue largar, de tão bom. Se for uma saga de vários volumes então, melhor ainda!

Nisso, vasculhando meu Kobo (que tem diversos livros que não sei de onde vieram: recebi alguns epubs de amigos, catei alguns gratuitos pela internet, comprei outros, então nunca sei qual surgiu como), encontrei um tal de Labirinto, de uma escritora chamada Kate Mosse. O nome era legal, a capa era legal, o release na internet era legal, e as primeiras páginas, explicando o contexto e dando um panorama histórico da época das cruzadas e o papel dos cátaros nisso era ainda mais legal. 

Sério, quando vi que o livro era sobre a guerra entre o norte e o sul do que hoje chamamos de França, com direito a cavaleiros, castelos e um bocado de referências históricas (ou seja, não necessariamente inventadas aleatoriamente) sobre isso, quase pulei de alegria. Até lembrei de uma aula de história da música há um tempo atrás, falando sobre os trovadores e tradições do norte e do sul. 

E sim, o livro me deixou morrendo de vontade de me enfiar num avião pra França agora pra conhecer Carcassonne, Toulouse e castelos. 

MAS...

Cara, desculpem falar assim, mas achei o livro péssimo. :( Uma mistura de Código Da Vinci com romance clichê água com açúcar mal escrito. Tirando todo esse contexto histórico e o fato de que a autora até pensou em um enredo bom, o resto é horrível. Pra mim, uma aula de literatura: não adianta você ter o enredo, saber de onde o personagem sai, pra onde ele vai, quem ele encontra no meio do caminho e tal se você tem personagens péssimos e mal desenvolvidos, e cada cena necessária pra levar ao seu objetivo é escrita cheia de clichês. Tem até uma hora em que a história pula DO NADA no tempo: num capítulo o intendente Pelletier tá lá ajudando seu senhor a manter Carcassonne durante um cerco, no capítulo seguinte o intendente Pelletier morre de doença do cerco, DO NADA. 

E desculpem, nem vou considerar isso um spoiler, porque não afeta a história principal.

Também tive antipatia da motivação de um outro personagem. Deve ser mais fácil falar que o cara é vilão porque ele é um religioso ferrenho cego que só quer obedecer o que ele acha que a "verdadeira" igreja quer do que ele ser um cara complexo, que discorda dos seus antagonistas, ou que teve algo no seu passado, e por aí vai, né? 

Isso e o fato de ser tudo sobre a busca do Graal fizeram virar uma cópia ruim de livro do Dan Brown (não que Código da Vinci seja perfeito, né, mas pelo menos é mais bem amarrado).

E depois que já estava no meio do livro, quase largando de lado (mas resistindo porque quis saber como seria o desfecho praquela bagunça), descobri que é uma trilogia (Trilogia Languedoc). Tenso. Vai ser igual Divergente: li o primeiro, achei ruim, não quero saber do resto. :S

Ah, talvez eu esteja exagerando. Admito a possibilidade. Mas é a decepção e a vontade de ler alguma coisa boa que me prenda, sabe? (George Martin, cadê o 6o livro, meu filho?) Não curto fazer post detonando livro, mas desde o começo me propus a usar esse blog pra dar opinião como se estivesse comentando episódio de seriado com amigos. Não é uma crítica, talvez tenha gente que leu e gostou e discorde. Infelizmente, eu não curti. :(

Se alguém souber de mais livros com temática parecida (a França medieval, cruzadas, templários, cátaros, não o graal, hein), me indica, por favor!

Nome: Labirinto
Autora: Kate Mosse
Páginas: 580
Editora: Suma de Letras
Nota no Skoob: 2/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário